O que é som de alta fidelidade?

Um bom sistema em uma boa sala de som pode produzir uma ilusão de som real bastante convincente
 

Como definimos o som de alta fidelidade? A maioria dos amantes do som diria que estamos tentando reproduzir o som o mais próximo possível do original, de modo que se você fechasse os olhos, pudesse imaginar que está ouvindo a coisa real.

O máximo de proximidade que podemos alcançar depende não apenas da qualidade dos alto-falantes e da eletrônica, mas também das limitações fundamentais dos formatos de estéreo e canais múltiplos que estão atualmente em uso. Um bom sistema em uma boa sala de som pode produzir uma ilusão sonora real bastante convincente, e isto é o que queremos conseguir com a música acústica naturalmente gravada.

Estamos tentando trazer através do caráter verdadeiro dos tons dos instrumentos e das vozes, suas localizações aparentes no espaço, e manter esta exatidão por uma escala dinâmica ampla. Isto é mais fácil de ser conseguido com conjuntos e solistas em câmaras feitas sob medida onde a sala de som não é muito diferente em tamanho do local da gravação.

É mais difícil fazer isto com uma orquestra inteira porque estamos tentando criar a ilusão de um espaço de um salão de concerto em uma sala de som de tamanho modesto. Naturalmente, nós temos que supor que o engenheiro de gravação esteja trabalhando em harmonia com este processo e este é geralmente o caso. Então, quanto estamos escutando música clássica ou acústica em alto-falantes de alta fidelidade, a principal questão é: `Parece real?'

Com a música produzida em estúdio tal como rock e pop a situação é um pouco diferente. Esta é a música que é criada no estúdio de gravação e eletronicamente dependente do balanço de como soa quando tocada novamente através de alto-falantes de monitores em uma sala de controle do estúdio. Se o estúdio for bem projetado, então uma gravação que soa boa na sala de controle deverá soar da mesma forma quando for tocada novamente em um sistema de áudio doméstico em uma sala de som típico. Estas gravações não têm uma referência de áudio na mesma maneira que a música acústica; nós confiamos no engenheiro de gravação para criar um produto sensivelmente equilibrado que soe de forma aceitável em um sistema de áudio doméstico típico. Há ainda uma intenção geral de gravar as fontes como soam naturalmente, tais como a guitarra elétrica amplificada, porém, é comum usar efeitos eletrônicos para realçar o que é basicamente a criação musical no estúdio de gravação.

Na gravação de conjuntos de jazz em um estúdio, por exemplo, é comum o engenheiro separar os diferentes grupos de instrumentos visando misturá-los para criar uma mistura harmônica quando tudo for combinado. Um grupo pode ser gravado com um microfone de som "brilhante", e o outro com uma característica diferente para ajudar a misturá-los juntos de maneira agradável, mesmo que seus sons individuais possam ser diferentes do que você iria ouvir se estivesse sentado em frente a eles.

Assim, precisamos ter em mente que a gravação nem sempre representa a realidade e considerar isto ao usar gravações de estúdio com a finalidade de julgar a qualidade do alto-falante.

Quando se trata de áudios de filmes também precisamos ter muito cuidado, já que estes são frequentemente mais próximos a efeitos do que à realidade e a qualidade de som das vozes frequentemente sofre devido à maneira que são gravadas e ao processamento que lhes é aplicado. Entretanto, como com todos os gêneros, reunimos gravações que quando usadas como um todo irão nos dizer o que precisamos saber sobre como os alto-falantes estão funcionando.